Transplante de Córnea

Compartilhar

 

transplante de córnea

Transplante de Córnea: Saiba tudo sobre.

O transplante de córnea é indicado quando a transparência ou a curvatura da córnea estejam alteradas, não permitindo uma boa visão. Ele consiste na substituição da córnea alterada por uma córnea doadora que mantenha boas condições.

A córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do olho. Ela permite que as imagens do meio externo penetrem no olho e sejam captadas pela retina. Para o bom funcionamento da córnea, é necessário que a mesma tenha transparência satisfatória e curvatura adequada.

 

 

Quais são as indicações da cirurgia de transplante de córnea?

  • Traumatismos oculares: causados principalmente por acidentes de trabalho como a queda de ciscos nos olhos, pequenas perfurações, queimaduras com agentes químicos e outros. Para evitá-los é recomendável o uso de equipamentos e medidas de segurança.
  • Ceratocone: doença ocular com evolução gradual que deforma a córnea até que ela fique com o formato de cone. Esta doença causa diminuição da visão.
  • Outras causas: a córnea também pode ser afetada por doenças congênitas , como a distrofia de Fuchs, e complicações após cirurgias oculares como a ceratopatia bolhosa, ambas podendo levar ao edema (inchaço) da córnea; além de doenças metabólicas ou degenerações de origem desconhecida.

 

bioscopia endotelial

Evolução da Distrofia de Fuchs

 

endotelio-saudavel

Endotélio saudável

 

distrofia de fuchs

Distrofia de Fuchs

 

A Distrofia de Fuchs não é muito conhecida, uma vez que apenas cerca de 1 % das pessoas têm. Quando se tem a Distrofia de Fuchs, as células em uma camada interna da córnea chamada de “endotélio” começam a morrer. Estas células bombeiam a água para fora do olho, então a córnea se enche de água e incha. A córnea é a “janela” do olho, e assimila a luz, por isso, quanto mais avançada a Distrofia de Fuchs, mais embasada estará sua visão.

 

 

anatomia-da-cornea

 

 

TRANSPLANTE LAMELAR POSTERIOR

(Transplante de Córnea Endotelial sem sutura) – DSAEK/DMEK

A sigla DSAEK do inglês (Descemet Stripping Automated Endothelial Keratoplasty) e a sigla DMEK do inglês (Descemet Membrane Endothelial Keratoplasty), representam as duas técnicas mais modernas de Transplante de Endotélio sem sutura atualmente.

O IOA – Instituto de Oftalmologia de Assis é pioneiro por introduzir essa nova técnica, chamada de Transplante de Córnea Endotelial Automatizado (DSAEK). Após 40 anos de estagnação nas técnicas de Transplante de Córnea, o DSAEK/DMEK vieram para revolucionar o tratamento das doenças endoteliais.

O objetivo principal da nova técnica é evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte interna (endotélio / descemet) que está comprometida, preservando as camadas anteriores da córnea e a superfície ocular. Assim, devido a troca de uma menor quantidade de tecido e a ausência de sutura, os índices de rejeição são extremamente menores que a técnica convencional de Transplante Penetrante (troca de toda a córnea).

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante de Córnea DSAEK

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante de Córnea DMEK

Transplante de córnea endotelial DMEK – Passo a passo

O DMEK se inicia pela preparação do botão doador. A membrana de descemet é descolada do botão, até próximo da região central. Um trépano (instrumento cirúrgico) de 9mm é utilizado para preparar a descemet e o endotélio doadores. O enxerto é corado e está pronto para ser implantado no olho do receptor.

Inicia-se então o preparo da córnea receptora. Uma pequena incisão corneana é realizada e com o auxílio de um gancho de Sinskey invertido, realizamos a remoção da membrana de descemet do paciente receptor, a membrana é descolada e o stripping é realizado para desnudamento do estroma posterior.

Neste momento preparamos o botão doador para implante no paciente, utilizamos a pipeta de DMEK, o enxerto é injetado dentro da câmara anterior, utilizando uma bolha de ar, vamos então desenrolar a membrana de descemet até completo posicionamento e abertura desta na câmera anterior. A membrana é desenrolada progressivamente, a pequena bolha de ar auxilia no desenrolar da membrana doadora, finalmente ampliamos a pequena bolha de ar para completa abertura e desenrolar da membrana doadora, agora colocamos a bolha de ar atrás do enxerto doador concluindo a cirurgia. Essa é a técnica mais moderna para o transplante endotelial.

 

A técnica do Transplante de Córnea Endotelial Sem Sutura (DSAEK) foi desenvolvida no Brasil com aprimoramento do aparelho MALKS AC – Antunes/Cvintal (Loktal Ltda) em 2009 pelo Dr. Victor A. C. Antunes. Esta técnica é utilizada em casos de doenças do endotélio como Distrofia de Fuchs e Ceratopatia Bolhosa pós-cirurgia de catarata. O DSAEK (Descemet Stripping Automated Endothelial Keratoplasty) hoje é a cirurgia mais realizada no mundo para estas patologias.

Com esta técnica, os resultados são mais previsíveis e reprodutíveis.

Recuperação do transplante de córnea

Uma das grandes vantagens das técnicas citadas acima está no tempo de recuperação do transplante de córnea, que no DSAEK/DMEK é em torno de 01 a 03 meses, comparado com o tempo de recuperação do Transplante Penetrante que varia de 18 a 24 meses.

Na imagem abaixo, fica clara a diferença entre o tempo de recuperação do transplante de córnea utilizando a técnica Penetrante e do DSAEK/DMEK:

pos op transplantes-01

Hoje o Instituto de Oftalmologia de Assis – IOA, conta com o especialista em Córnea e  Transplante de Córnea Endotelial Sem Sutura (DSAEK/DMEK), Dr. Victor Andrigheti Coronado Antunes, que desde 2006 se dedica a esta técnica. O profissional é um dos mais experientes do Brasil na realização desta técnica com mais de 500 procedimentos já realizados. Também é um dos principais palestrantes sobre esta técnica nos congressos no Brasil e no Exterior.

 

TRANSPLANTE LAMELAR ANTERIOR 

 

O transplante de córnea é uma cirurgia que consiste em substituir uma porção da córnea doente de forma total ou parcial de um paciente por uma córnea doadora saudável, a fim de melhorar a visão do paciente ou corrigir quadro de perfurações oculares que ponham em risco a perda anatômica e funcional do olho.

Transplante Lamelar de Córnea Dalk ou Big Bubble/Pachy Bubble

Essa técnica é recomendada sobretudo aos portadores da doença de ceratocone. Embora a cirurgia tenha registrado grandes avanços ao longo do último século, a técnica mais comum hoje em dia ainda é bastante invasiva. Ela exige que se removam 80% do diâmetro da córnea do receptor e que se troquem todas as camadas do órgão.

 

transplante de córnea

A remoção da mais profunda delas, o endotélio, é o procedimento que apresenta o maior risco de rejeição – 30% dos pacientes submetidos a um transplante perdem a nova córnea por causa disso.

Para evitar essas complicações, foi desenvolvida a técnica do transplante lamelar anterior (DALK ou BIG BUBBLE), essa técnica é uma boa opção quando a parte interna da córnea (endotélio) está saudável. O procedimento consiste no implante da córnea sem o endotélio. Apenas as camadas doentes anteriores da córnea serão substituídas e a camada mais interna, o endotélio, será mantido. Por a camada interna ser mantida, o corpo não reconhece o tecido do doador, havendo menos riscos de rejeição. A técnica é chamada de “Big Bubble” (Grande Bolha), pois ar é injetado na córnea para facilitar a separação entre as camadas superficiais e profundas. Nessa técnica, somente as duas camadas mais internas (endotélio e membrana de Descemet) permanecem, enquanto que as 3 camadas anteriores (epitélio, camada de Bowmann e estroma) são substituídas.

 

 

 

Pós-operatório:

O médico irá verificar a sua cirurgia no dia seguinte após a cirurgia. Sua visão ainda não estará boa, na verdade, geralmente fica pior no dia do seu primeiro pós-operatório.

 

Não há dor após a cirurgia, embora exista alguma sensibilidade à luz e sensação de areia nos olhos. A recuperação visual vai variar dependendo da gravidade da nebulosidade da córnea antes da cirurgia. A maioria dos pacientes notam uma melhora em sua visão durante as primeiras duas semanas após a cirurgia, com melhoria contínua ao longo das próximas quatro a seis semanas. Com essas novas técnicas a recuperação é mais rápida do que o transplante penetrante que é de muitos meses e as vezes anos de reabilitação.

 

  • Você geralmente será capaz de retomar a maioria das atividades dois dias após a cirurgia.
  • Maquiagem dos olhos é permitida em uma semana e nadar em quatro semanas após a cirurgia.
  • Exercícios, como esteira, ou a pé são permitidos em uma semana.
  • Levantamento de peso deve ser evitado por 3 a 4 semanas.

 

Você provavelmente vai ter uma mudança em sua prescrição de óculos em algum momento após a cirurgia.

 

ceratocone_ioa

Paciente pós Transplante Big Bubble

 

 

Transplante penetrante

Os Transplantes Penetrantes são aqueles que substituem toda a espessura da córnea, enquanto os transplantes lamelares substituem apenas uma fatia da córnea. Assim, dependendo de cada caso, o médico poderá optar por um tipo ou outro de transplante.

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante Penetrante

Dúvidas? Use o link abaixo para enviar suas dúvidas:

 

Perguntas Frequentes:

O que é o endotélio corneano?

Endotélio corneano é a camada interna da córnea (película transparente anterior do olho) responsável pela transparência da córnea.

Quando se transplanta o endotélio corneano?

Quando não está funcionalmente sadio, levando a um inchaço da córnea e embaçamento da visão, que não melhora com o uso de óculos ou lente de contato.

Quais os problemas que podem alterar a função do endotélio corneano?

Basicamente existem 3 alterações da função endotelial. A primeira delas são disfunções endoteliais congênitas (desde o nascimento). A segunda seria a distrofia de Fuchs (distrofia = doença genética com manifestação tardia), patologia em que ocorre uma “degeneração” progressiva das células endoteliais. A última das formas de disfunção das células endoteliais corneanas é causada por trauma. Este pode ser um trauma convencional, como uma perfuração ocular, ou causado por cirurgia com necessidade de grande manipulação intra-ocular.

Todos os pacientes com disfunção endotelial podem ser submetidos a cirurgia de Transplante Endotelial de Córnea?

Existe um pré requisito que é a transparência das camadas anteriores da córnea, isto é, o problema deve ser exclusivamente do endotélio.

Quais as diferenças técnicas deste tipo de transplante de córnea e o transplante tradicional?

A grande diferença deste transplante para o tradicional é que se transplanta apenas a camada mais interna da córnea. Este implante é aderido naturalmente à outras camadas da córnea. Ou seja, não há necessidade de pontos para segurar o transplante em posição e também não se altera a superfície ocular.

Quais os benefícios desta técnica?

Recuperação mais rápida da visão e índices mais baixos de rejeição.

E os resultados desta técnica?

Esta é uma técnica bastante nova no mundo, e existe uma relação grande entre a experiência do cirurgião e o sucesso da cirurgia. Estudos publicados desde 2006, quando a técnica se consagrou, demonstra excelente resultado com recuperação da visão em um período que varia de 4 a 6 semanas.

É possível fazer cirurgia de catarata e Dsaek na mesma cirurgia?

Sem dúvida, é possível. A maioria dos pacientes que possuem Distrofia de Fuchs já tem início de catarata, sendo indicado a cirurgia combinada.

É possível fazer um novo transplante endotelial se for necessário?

Sim, devido as inúmeras vantagens e a facilidade técnica na troca do DSAEK, sem dúvida deve-se tentar a troca antes de ir para um transplante tradicional.

Quanto custa o transplante de córnea? Qual o preço do transplante de córnea?

Em respeito ao Código de Ética Médica não podemos informar quanto custa o transplante de córnea e nem qual o preço do transplante de córnea.  Em outras palavras, para saber quanto custa o transplante de córnea é necessário o agendamento de uma avaliação, em que o oftalmologista analisará o caso. Havendo indicação do transplante é que os custos e formas de pagamento serão apresentados / discutidos.

img-quanto-custa-a-cirurgia-codigo-de-etica

Em cumprimento ao Código de Ética Médica, é inadequada a divulgação de preços de cirurgias, incluindo a divulgação do preço do transplante de córnea. Entre em contato pelo formulário abaixo para saber mais sobre os valores da cirurgia refrativa, e agende sua avaliação:

O Instituto de Oftalmologia de Assis segue as determinações do Manual de Publicidade Médica descritas no Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina (Resolução CFM nº 1974/11). Se você observou algum item que não esteja de acordo com o manual, por favor, clique para informar o problema.