Instituto de Oftalmologia de Assis | 2 de dezembro de 2019

Impactos do envelhecimento populacional na saúde ocular

 

O Brasil está passando por um processo demográfico que resulta no aumento do número de pessoas idosas no total geral da população. Já somos o quinto país com maior número de idosos do mundo. Segundo dados do IBGE (2019), nos próximos 10 anos o País terá cerca de 38,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos, o que equivalerá a 17,4% da população. Estima-se ainda que a população idosa no Brasil vai dobrar até 2042 em comparação com 2017, quando esse total era de 28 milhões.

Esse cenário revela a necessidade de iniciativas com foco no envelhecimento saudável, tanto por parte do poder público, quanto das diferentes áreas da Medicina, o que inclui a Oftalmologia. A partir dos 40 anos, já aumentam os riscos de doenças oculares, como por exemplo a presbiopia (vista cansada – dificuldade para enxergar de perto). Por essa e outras razões, a partir dessa idade, deve-se manter uma rotina de consultas mais frequentes ao médico oftalmologista, a fim de prevenir e diagnosticar previamente as doenças oculares. Com o diagnóstico realizado em tempo hábil e tratamento correto, é possível controlar boa parte das doenças oculares que afetam os idosos. E, para se obter o diagnóstico precoce de alguma eventual doença ocular e reduzir os riscos de danos oculares futuros, é fundamental se iniciar uma rotina de consultas periódicas ao médico oftalmologista.

No caso de idosos portadores de doenças como diabetes e hipertensão, os cuidados com a saúde ocular devem ser redobrados, pois elas aumentam as chances de problemas oculares como retinopatia hipertensiva e diabética.

 

Principais doenças oculares da terceira idade

Glaucoma

De acordo com a obra “Condições de Saúde Ocular no Brasil 2019”, editada pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, estima-se que entre 2 a 3% da população brasileira com mais de 40 anos seja portador da doença, o que representa cerca de 1,5 milhão de pessoas. Considerada a principal causa de cegueira irreversível do mundo, a doença caracteriza-se pela alteração do nervo óptico, que provoca danos à fibra óptica, podendo levar o paciente a perda total da visão, se não houver um correto tratamento. Uma das características mais perigosas da maioria dos casos de glaucoma é que se trata de uma doença silenciosa, em que os sintomas só são percebidos pelo paciente quando ela se encontra em estágio avançado quando seu controle é muito mais trabalhoso e com resultados piores. Na consulta de rotina com o médico oftalmologista é possível identificar o problema a tempo, através de exames como a tonometria (medição da pressão ocular), teste de fundo de olho e de campimetria (que avalia o campo de visão).

 

Retinopatia diabética

Tendo como principal fator o índice glicêmico elevado, a retinopatia diabética (RD) é uma complicação que provoca danos aos pequenos vasos sanguíneos da retina. Geralmente, a doença afeta ambos os olhos, e se não tratada corretamente pode levar o paciente a cegueira. Além do tratamento oftalmológico, é necessário o controle da glicemia e do diabetes. Existem duas formas de retinopatia diabética: exsudativa e proliferativa. Em ambos os casos, a retinopatia diabética pode levar a uma perda parcial ou total da visão. A retinopatia diabética exsudativa ocorre quando as hemorragias e as gorduras afetam a mácula, que é necessária para a visão central. A retinopatia diabética proliferativa surge quando a doença dos vasos sanguíneos da retina progride, o que ocasiona a proliferação de novos vasos anormais que são chamados “neovasos”, que são extremamente frágeis e podem sangrar e proliferarem-se para o interior do olho causando graus variados de destruição da retina, dificuldades de visão e cegueira. A proliferação dos neovasos também pode causar cegueira em consequência de um descolamento de retina.

 

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

Como o nome já diz, trata-se de uma degeneração ocular que se propaga na mácula (região central da retina) e pode ocasionar perda da visão. A DMRI é considerada uma doença comum entre pessoas a partir dos 50 anos de idade, e estima-se que ela afete 2,9 milhões de brasileiros acima dos 65 anos. Entre os principais fatores de risco da DMRI estão histórico familiar, ter pele e olhos claros, e fatores externos e comportamentais como uso de cigarro, exposição ao sol e ingestão de alimentos com alto índice de gorduras saturadas.

 

Catarata

A catarata afeta 17% das pessoas com até 65 anos e 47% dos que têm de 65 a 74 anos. A doença embaça o cristalino (lente natural dos olhos localizada atrás da íris) e pode causar cegueira, quando não tratada. O tratamento da catarata é cirúrgico (é preciso substituir o cristalino opacificado por uma lente artificial). Existem três principais tipos de catarata. São eles: catarata congênita, já nasce com o indivíduo; catarata secundária que decorre de fatores como uso de medicamentos esteroides, doenças metabólicas, traumas, radiação, entre outros, e a catarata senil, a mais frequente, ligada ao processo de envelhecimento.

 

Envelheça enxergando bem!

Em todas as idades, enxergar bem está diretamente ligado à qualidade de vida. Uma vez que as pessoas estão vivendo mais, o cuidado com a visão está entre os principais fatores para se ter uma vida longa e saudável. A boa notícia é que o avanço da Oftalmologia possibilita a prevenção e tratamento até para os problemas mais complexos que podem afetar a visão do idoso como a DMRI e o Glaucoma. Além das avançadas cirurgias, que já existem há anos, atualmente já estão sendo desenvolvidos e testados tratamento avançados com o uso de células-tronco. Os resultados desses testes são animadores, apontando um futuro ainda mais promissor para Oftalmologia e, consequentemente, para a saúde ocular da população como um todo.

 

Fonte: Revista Veja Bem | 22 | ano 07 | 2019

Você também pode gostar
World Keratoconus Society Meeting (Encontro Mundial da Sociedade Brasileira de Ceratocone)
+
World Keratoconus Society Meeting (Encontro Mundial da Sociedade Brasileira de Ceratocone)

O Dr. Victor A. Coronado Antunes diretor técnico do IOA (Instituto de Oftalmologia de Assis) participou do World Keratoconus Society Meeting (Encontro Mundial da ...

19 de outubro de 2015
IX Congresso Brasileiro da SOBLEC
+
IX Congresso Brasileiro da SOBLEC

Durante os dias 16, 17 e 18 de maio de 2019, aconteceu em São Paulo no hotel Maksoud Plaza, o IX Congresso Brasileiro da SOBLEC, cujo tema foi “Mergulhando ...

20 de maio de 2019
Lente Intraocular Trifocal lançada recentemente no Brasil
+
Lente Intraocular Trifocal lançada recentemente no Brasil

Foi lançada recentemente no Brasil a lente intraocular trifocal PanOptix®, pela Alcon. O AcrySof IQ PanOptix trifocal IOL é indicado para pacientes adultos com e ...

16 de junho de 2016