Instituto de Oftalmologia de Assis | 2 de dezembro de 2019

Impactos do envelhecimento populacional na saúde ocular

 

O Brasil está passando por um processo demográfico que resulta no aumento do número de pessoas idosas no total geral da população. Já somos o quinto país com maior número de idosos do mundo. Segundo dados do IBGE (2019), nos próximos 10 anos o País terá cerca de 38,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos, o que equivalerá a 17,4% da população. Estima-se ainda que a população idosa no Brasil vai dobrar até 2042 em comparação com 2017, quando esse total era de 28 milhões.

Esse cenário revela a necessidade de iniciativas com foco no envelhecimento saudável, tanto por parte do poder público, quanto das diferentes áreas da Medicina, o que inclui a Oftalmologia. A partir dos 40 anos, já aumentam os riscos de doenças oculares, como por exemplo a presbiopia (vista cansada – dificuldade para enxergar de perto). Por essa e outras razões, a partir dessa idade, deve-se manter uma rotina de consultas mais frequentes ao médico oftalmologista, a fim de prevenir e diagnosticar previamente as doenças oculares. Com o diagnóstico realizado em tempo hábil e tratamento correto, é possível controlar boa parte das doenças oculares que afetam os idosos. E, para se obter o diagnóstico precoce de alguma eventual doença ocular e reduzir os riscos de danos oculares futuros, é fundamental se iniciar uma rotina de consultas periódicas ao médico oftalmologista.

No caso de idosos portadores de doenças como diabetes e hipertensão, os cuidados com a saúde ocular devem ser redobrados, pois elas aumentam as chances de problemas oculares como retinopatia hipertensiva e diabética.

 

Principais doenças oculares da terceira idade

Glaucoma

De acordo com a obra “Condições de Saúde Ocular no Brasil 2019”, editada pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, estima-se que entre 2 a 3% da população brasileira com mais de 40 anos seja portador da doença, o que representa cerca de 1,5 milhão de pessoas. Considerada a principal causa de cegueira irreversível do mundo, a doença caracteriza-se pela alteração do nervo óptico, que provoca danos à fibra óptica, podendo levar o paciente a perda total da visão, se não houver um correto tratamento. Uma das características mais perigosas da maioria dos casos de glaucoma é que se trata de uma doença silenciosa, em que os sintomas só são percebidos pelo paciente quando ela se encontra em estágio avançado quando seu controle é muito mais trabalhoso e com resultados piores. Na consulta de rotina com o médico oftalmologista é possível identificar o problema a tempo, através de exames como a tonometria (medição da pressão ocular), teste de fundo de olho e de campimetria (que avalia o campo de visão).

 

Retinopatia diabética

Tendo como principal fator o índice glicêmico elevado, a retinopatia diabética (RD) é uma complicação que provoca danos aos pequenos vasos sanguíneos da retina. Geralmente, a doença afeta ambos os olhos, e se não tratada corretamente pode levar o paciente a cegueira. Além do tratamento oftalmológico, é necessário o controle da glicemia e do diabetes. Existem duas formas de retinopatia diabética: exsudativa e proliferativa. Em ambos os casos, a retinopatia diabética pode levar a uma perda parcial ou total da visão. A retinopatia diabética exsudativa ocorre quando as hemorragias e as gorduras afetam a mácula, que é necessária para a visão central. A retinopatia diabética proliferativa surge quando a doença dos vasos sanguíneos da retina progride, o que ocasiona a proliferação de novos vasos anormais que são chamados “neovasos”, que são extremamente frágeis e podem sangrar e proliferarem-se para o interior do olho causando graus variados de destruição da retina, dificuldades de visão e cegueira. A proliferação dos neovasos também pode causar cegueira em consequência de um descolamento de retina.

 

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

Como o nome já diz, trata-se de uma degeneração ocular que se propaga na mácula (região central da retina) e pode ocasionar perda da visão. A DMRI é considerada uma doença comum entre pessoas a partir dos 50 anos de idade, e estima-se que ela afete 2,9 milhões de brasileiros acima dos 65 anos. Entre os principais fatores de risco da DMRI estão histórico familiar, ter pele e olhos claros, e fatores externos e comportamentais como uso de cigarro, exposição ao sol e ingestão de alimentos com alto índice de gorduras saturadas.

 

Catarata

A catarata afeta 17% das pessoas com até 65 anos e 47% dos que têm de 65 a 74 anos. A doença embaça o cristalino (lente natural dos olhos localizada atrás da íris) e pode causar cegueira, quando não tratada. O tratamento da catarata é cirúrgico (é preciso substituir o cristalino opacificado por uma lente artificial). Existem três principais tipos de catarata. São eles: catarata congênita, já nasce com o indivíduo; catarata secundária que decorre de fatores como uso de medicamentos esteroides, doenças metabólicas, traumas, radiação, entre outros, e a catarata senil, a mais frequente, ligada ao processo de envelhecimento.

 

Envelheça enxergando bem!

Em todas as idades, enxergar bem está diretamente ligado à qualidade de vida. Uma vez que as pessoas estão vivendo mais, o cuidado com a visão está entre os principais fatores para se ter uma vida longa e saudável. A boa notícia é que o avanço da Oftalmologia possibilita a prevenção e tratamento até para os problemas mais complexos que podem afetar a visão do idoso como a DMRI e o Glaucoma. Além das avançadas cirurgias, que já existem há anos, atualmente já estão sendo desenvolvidos e testados tratamento avançados com o uso de células-tronco. Os resultados desses testes são animadores, apontando um futuro ainda mais promissor para Oftalmologia e, consequentemente, para a saúde ocular da população como um todo.

 

Fonte: Revista Veja Bem | 22 | ano 07 | 2019

Você também pode gostar
Doutores do IOA participam do Congresso BRASCRS 2019
+
Doutores do IOA participam do Congresso BRASCRS 2019

De 29/05 a 01/06, em Brasília, aconteceu o X Congresso Brasileiro de Catarata e Cirurgia Refrativa – BRASCRS 2019, e nosso especialista Dr. Victor A. C. ...

3 de junho de 2019
Simpósio Internacional do BOS
+
Simpósio Internacional do BOS

Dr. Victor A. C. Antunes do Instituto de Oftalmologia de Assis participou do Simpósio Internacional do BOS – Hospital Oftalmológico de Sorocaba. O evento ...

25 de outubro de 2019
A importância de cuidar e fazer o uso correto das lentes de contato – Relato –
+
A importância de cuidar e fazer o uso correto das lentes de contato – Relato –

Ela teve doença causada por lente de contato: “Dor era tanta que decidi tirar o olho.” FONTE: Priscila Carvalho – Do UOL VivaBem, em São Paulo ...

3 de julho de 2019