Saiba Tudo Sobre

Distrofia de Fuchs

Transplante de Córnea Endotelial (DMEK/DSAEK)

O transplante de córnea é indicado quando a transparência ou a curvatura da córnea estejam alteradas, não permitindo uma boa visão. Ele consiste na substituição da córnea alterada por uma córnea doadora que mantenha boas condições.

A córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do olho. Ela permite que as imagens do meio externo penetrem no olho e sejam captadas pela retina. Para o bom funcionamento da córnea, é necessário que a mesma tenha transparência satisfatória e curvatura adequada.

 

 

Quais são as indicações da cirurgia de transplante de córnea?

Traumatismos oculares: causados principalmente por acidentes de trabalho como a queda de ciscos nos olhos, pequenas perfurações, queimaduras com agentes químicos e outros. Para evitá-los é recomendável o uso de equipamentos e medidas de segurança.
Ceratocone: doença ocular com evolução gradual que deforma a córnea até que ela fique com o formato de cone. Esta doença causa diminuição da visão.
Outras causas: a córnea também pode ser afetada por doenças congênitas, como a distrofia de Fuchs, e complicações após cirurgias oculares como a ceratopatia bolhosa, ambas podendo levar ao edema (inchaço) da córnea; além de doenças metabólicas ou degenerações de origem desconhecida.

 

 

Evolução da Distrofia de Fuchs

 

Endotélio saudável

 

Distrofia de Fuchs

 

 

A Distrofia de Fuchs não é muito conhecida, uma vez que apenas cerca de 1 % das pessoas têm. Quando se tem a Distrofia de Fuchs, as células em uma camada interna da córnea chamada de “endotélio” começam a morrer. Estas células bombeiam a água para fora do olho, então a córnea se enche de água e incha. A córnea é a “janela” do olho, e assimila a luz, por isso, quanto mais avançada a Distrofia de Fuchs, mais embasada estará sua visão.

 

 

 

Transplante Lamelar Posterior

(Transplante de Córnea Endotelial sem sutura) – DSAEK/DMEK

A sigla DSAEK do inglês (Descemet Stripping Automated Endothelial Keratoplasty) e a sigla DMEK do inglês (Descemet Membrane Endothelial Keratoplasty), representam as duas técnicas mais modernas de Transplante de Endotélio sem sutura atualmente.

O IOA – Instituto de Oftalmologia de Assis é pioneiro por introduzir essa nova técnica, chamada de Transplante de Córnea Endotelial Automatizado (DSAEK). Após 40 anos de estagnação nas técnicas de Transplante de Córnea, o DSAEK/DMEK vieram para revolucionar o tratamento das doenças endoteliais.

O objetivo principal da nova técnica é evitar a remoção total da córnea, trocando apenas a parte interna (endotélio / descemet) que está comprometida, preservando as camadas anteriores da córnea e a superfície ocular. Assim, devido a troca de uma menor quantidade de tecido e a ausência de sutura, os índices de rejeição são extremamente menores que a técnica convencional de Transplante Penetrante (troca de toda a córnea).

 

 

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante de Córnea DSAEK

 

 

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante de Córnea DMEK

Transplante de córnea endotelial DMEK – Passo a passo

O DMEK se inicia pela preparação do botão doador. A membrana de descemet é descolada do botão, até próximo da região central. Um trépano (instrumento cirúrgico) de 9mm é utilizado para preparar a descemet e o endotélio doadores. O enxerto é corado e está pronto para ser implantado no olho do receptor.

 

Inicia-se então o preparo da córnea receptora. Uma pequena incisão corneana é realizada e com o auxílio de um gancho de Sinskey invertido, realizamos a remoção da membrana de descemet do paciente receptor, a membrana é descolada e o stripping é realizado para desnudamento do estroma posterior.

Neste momento preparamos o botão doador para implante no paciente, utilizamos a pipeta de DMEK, o enxerto é injetado dentro da câmara anterior, utilizando uma bolha de ar, vamos então desenrolar a membrana de descemet até completo posicionamento e abertura desta na câmera anterior. A membrana é desenrolada progressivamente, a pequena bolha de ar auxilia no desenrolar da membrana doadora, finalmente ampliamos a pequena bolha de ar para completa abertura e desenrolar da membrana doadora, agora colocamos a bolha de ar atrás do enxerto doador concluindo a cirurgia. Essa é a técnica mais moderna para o transplante endotelial.

 

 

 

A técnica do Transplante de Córnea Endotelial Sem Sutura (DSAEK) foi desenvolvida no Brasil com aprimoramento do aparelho MALKS AC – Antunes/Cvintal (Loktal Ltda) em 2009 pelo Dr. Victor A. C. Antunes. Esta técnica é utilizada em casos de doenças do endotélio como Distrofia de Fuchs e Ceratopatia Bolhosa pós-cirurgia de catarata. O DSAEK (Descemet Stripping Automated Endothelial Keratoplasty) hoje é a cirurgia mais realizada no mundo para estas patologias.

Com esta técnica, os resultados são mais previsíveis e reprodutíveis.

 

Recuperação do transplante de córnea

Uma das grandes vantagens das técnicas citadas acima está no tempo de recuperação do transplante de córnea, que no DSAEK/DMEK é em torno de 01 a 03 meses, comparado com o tempo de recuperação do Transplante Penetrante que varia de 18 a 24 meses.

Na imagem abaixo, fica clara a diferença entre o tempo de recuperação do transplante de córnea utilizando a técnica Penetrante e do DSAEK/DMEK:

Hoje o Instituto de Oftalmologia de Assis – IOA, conta com o especialista em Córnea e Transplante de Córnea Endotelial Sem Sutura (DSAEK/DMEK), Dr. Victor Andrigheti Coronado Antunes CRM 108193/RQE 69538 que desde 2006 se dedica a esta técnica. O profissional é um dos mais experientes do Brasil na realização desta técnica com mais de 500 procedimentos já realizados. Também é um dos principais palestrantes sobre esta técnica nos congressos no Brasil e no Exterior.

 

Transplante penetrante

Os Transplantes Penetrantes são aqueles que substituem toda a espessura da córnea, enquanto os transplantes lamelares substituem apenas uma fatia da córnea. Assim, dependendo de cada caso, o médico poderá optar por um tipo ou outro de transplante.

O vídeo a seguir mostra detalhadamente como é feito o Transplante Penetrante

Perguntas Frequentes:

O que é o endotélio corneano?

Endotélio corneano é a camada interna da córnea (película transparente anterior do olho) responsável pela transparência da córnea.

 

Quando se transplanta o endotélio corneano?

Quando não está funcionalmente sadio, levando a um inchaço da córnea e embaçamento da visão, que não melhora com o uso de óculos ou lente de contato.

 

Quais os problemas que podem alterar a função do endotélio corneano?

Basicamente existem 3 alterações da função endotelial. A primeira delas são disfunções endoteliais congênitas (desde o nascimento). A segunda seria a distrofia de Fuchs (distrofia = doença genética com manifestação tardia), patologia em que ocorre uma “degeneração” progressiva das células endoteliais. A última das formas de disfunção das células endoteliais corneanas é causada por trauma. Este pode ser um trauma convencional, como uma perfuração ocular, ou causado por cirurgia com necessidade de grande manipulação intra-ocular.

 

Todos os pacientes com disfunção endotelial podem ser submetidos a cirurgia de Transplante Endotelial de Córnea?

Existe um pré requisito que é a transparência das camadas anteriores da córnea, isto é, o problema deve ser exclusivamente do endotélio.

 

Quais as diferenças técnicas deste tipo de transplante de córnea e o transplante tradicional?

A grande diferença deste transplante para o tradicional é que se transplanta apenas a camada mais interna da córnea. Este implante é aderido naturalmente à outras camadas da córnea. Ou seja, não há necessidade de pontos para segurar o transplante em posição e também não se altera a superfície ocular.

 

Quais os benefícios desta técnica?

Recuperação mais rápida da visão e índices mais baixos de rejeição.

 

E os resultados desta técnica?

Esta é uma técnica bastante nova no mundo, e existe uma relação grande entre a experiência do cirurgião e o sucesso da cirurgia. Estudos publicados desde 2006, quando a técnica se consagrou, demonstra excelente resultado com recuperação da visão em um período que varia de 4 a 6 semanas.

 

É possível fazer cirurgia de catarata e Dsaek na mesma cirurgia?

Sem dúvida, é possível. A maioria dos pacientes que possuem Distrofia de Fuchs já tem início de catarata, sendo indicado a cirurgia combinada.

 

É possível fazer um novo transplante endotelial se for necessário?

Sim, devido as inúmeras vantagens e a facilidade técnica na troca do DSAEK, sem dúvida deve-se tentar a troca antes de ir para um transplante tradicional.

 

Quanto custa o transplante de córnea? Qual o preço do transplante de córnea?

Em respeito ao Código de Ética Médica não podemos informar quanto custa o transplante de córnea e nem qual o preço do transplante de córnea. Em outras palavras, para saber quanto custa o transplante de córnea é necessário o agendamento de uma avaliação, em que o oftalmologista analisará o caso. Havendo indicação do transplante é que os custos e formas de pagamento serão apresentados / discutidos.

 

Em cumprimento ao Código de Ética Médica, é inadequada a divulgação de preços de cirurgias, incluindo a divulgação do preço do transplante de córnea.

O IOA segue as determinações do Manual de Publicidade Médica descritas no Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina (Resolução CFM nº 1974/11). Se você observou algum item que não esteja de acordo com o manual, entre em contato conosco para informar o problema.

Você também pode gostar
Cirurgia de Catarata: Visão Personalizada
+
Cirurgia de Catarata: Visão Personalizada

A catarata é uma condição ocular comum que pode afetar a qualidade da visão ao longo do tempo. Contudo, a jornada para restaurar a clareza visual vai além da ...

21 de novembro de 2023
A Importância dos Óculos Escuros Após uma Cirurgia Ocular
+
A Importância dos Óculos Escuros Após uma Cirurgia Ocular

Quando pensamos em óculos escuros, muitas vezes os associamos a moda ou à proteção contra o brilho do sol. No entanto, para quem passou por uma cirurgia ocular, ...

21 de maio de 2024
Caso Desafiador Apresentado na ASCRS 2024 pelo fellow Dr. Victor Sano do IOA
+
Caso Desafiador Apresentado na ASCRS 2024 pelo fellow Dr. Victor Sano do IOA

No recente Congresso Internacional da Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa (ASCRS) de 2024, realizado em Boston, EUA, um caso emblemático foi ...

10 de abril de 2024