Instituto de Oftalmologia de Assis | 21 de março de 2016

Anel de Ferrara para Ceratocone

Cirurgia de Implante do Anel de Ferrara

O diagnóstico do Ceratocone tem aumentado muito nos últimos anos. Um número cada vez maior de míopes procurando a cura pelo Excimer Laser, se submetem ao exame de topografia corneana, detectando assim, a forma da córnea, permitindo identificar de imediato o Ceratocone.

O Ceratocone decorre de um enfraquecimento da córnea e, por isso, não se presta à correção por laser. A tolerância às lentes de contato nem sempre é adequada, e a visão com óculos é muito ruim.

Os implantes de Anel de Ferrara possibilitam uma rápida recuperação visual, além de permitir o uso de óculos ou lentes de contato se necessário.

Esse método de tratamento é reconhecido mundialmente. Desde sua introdução no mercado, mais de 100.000 implantes de Anel de Ferrara foram realizados com taxas de satisfação bastante expressivas.

O que é Ceratocone?

A palavra Ceratocone é formada de duas palavras gregas: kerato, que significa córnea, e konos, que significa cone. O Ceratocone é uma condição em que a forma normalmente arredondada da córnea é distorcida e desenvolve uma protuberância em forma de cone, resultando em prejuízo à visão. O progresso da doença depende da idade do paciente na época de seu aparecimento. Quanto mais precoce o aparecimento, mais rápida a evolução. A doença é sempre bilateral e assimétrica.

O que causa o Ceratocone?

O Ceratocone é uma doença hereditária e às vezes pode saltar gerações. Ele surge habitualmente na puberdade e, com frequência, está associado a fenômenos alérgicos. Coçar os olhos pode provocar o avanço da doença.

Como o Ceratocone é tratado?

Óculos: nos estágios iniciais.

Lentes de Contato: quando os óculos não resolvem.

Implante de Anel Intracorneano: quando não há tolerância a lentes de contato e quando o processo está em evolução.

Crosslinking:  o método tem a intenção de aumentar a resistência das fibras do colágeno e alterar a biomecânica corneana, sendo assim indicado em casos de Ceratocone progressivo.

Transplante de Córnea: para estágios muito avançados.

Nos primeiros estágios o paciente pode fazer uso do óculos. A medida que a doença progride, o aumento do afinamento e protuberância da córnea cria um astigmatismo irregular elevado. Como isso não é corrigível com óculos, usam-se, nesses casos, as lentes de contato RGP (rígidas gás-permeáveis) ou lentes de contato esclerais. Embora as lentes de contato proporcionem uma melhoria de visão, usá-las não altera a progressão da doença.

O que é Anel de Ferrara?

O Anel de Ferrara é uma órtese composta de dois segmentos semicirculares, de espessuras variáveis, com 5mm de diâmetro. O Anel de Ferrara é fabricado em PMMA, um material acrílico comprovadamente inerte e biocompatível, utilizado há décadas para a fabricação de implantes intracorneanos. O Anel de Ferrara tem diferentes graus de arqueamento e espessuras que garantem o melhor resultado para cada caso. O anel é perfeitamente tolerado pelo organismo, não havendo risco de rejeição. É o mais moderno e seguro tratamento para o ceratocone.

Quais são as indicações do Anel de Ferrara?

  1. Miopias moderadas e elevadas
  2. Astigmatismo miópico simples ou composto elevado.
  3. Astigmatismo irregular: ceratocone e pós-transplante de córnea
  4. Ectasia pós-lasik e PRK
  5. Degeneração pelúcida

O implante do anel de Ferrara é indicado, principalmente, aos portadores de ceratocone em evolução, em qualquer faixa etária, intolerantes a lentes de contato ou com distorções acentuadas da córnea, como ocorre após o transplante.

Como é o procedimento cirúrgico?

A cirurgia é realizada em bloco cirúrgico com todos os cuidados de assepsia. A anestesia é tópica, feita com colírios anestésicos. Após a assepsia da área cirúrgica, que compreende a região dos olhos, nariz e fronte, o rosto é coberto por um campo cirúrgico estéril que tem por finalidade proteger e evitar contaminação. O procedimento é absolutamente indolor e demora cerca de 10 minutos.

O uso de colírios antibióticos e antiinflamatórios possibilita um pós-operatório mais confortável e seguro.

Com três dias, o paciente pode retornar às atividades normais.

Quais são os riscos da cirurgia?

São mínimos. Como em qualquer cirurgia, pode ocorrer infecção. Neste caso, o anel deverá ser removido. Não há perigo de rejeição. A cirurgia não impede ou prejudica o transplante de córnea. As complicações são mínimas e, o mais importante, reversíveis, isto é, pode-se remover o anel, e a córnea voltará às medidas originais.

Como é a recuperação da visão após a cirurgia?

A reabilitação visual é rápida. No dia seguinte, a visão já está melhor, com estabilização a partir do terceiro mês. É normal, neste período, haver flutuação na visão. Geralmente, na parte da manhã, o paciente está enxergando bem, no decorrer do dia, sua visão pode apresentar um leve embaçamento. Como não se trata de uma cirurgia estética, pode ser necessária a utilização de óculos ou lentes de contato para complementar a correção. Entretanto, a visão pode estar boa, mesmo que haja grau residual.

Preparo para a cirurgia

No dia da cirurgia: dieta livre. É aconselhado tomar banho e lavar os cabelos.

O paciente deve dirigir-se à clínica com 30 minutos de antecedência da hora marcada para a cirurgia.

Antes de entrar para o bloco cirúrgico, deverá trocar de roupa por outra apropriada, fornecida pela clínica.

Algumas gotas de colírio anestésico serão ministradas em intervalos regulares até o momento da cirurgia.

Orientações para o pós-operatório

Sintomas normais no pós-operatório imediato: dor, lacrimejamento, fotofobia (aversão à luz) e olho vermelho. Entretanto o aparecimento tardio destes sintomas é anormal e deverá ser comunicado ao médico, imediatamente. Em caso de dúvida, entre em contato com a Clínica.

Medicamento serão receitados pelo médico após a cirurgia.

O Instituto de Oftalmologia de Assis segue as determinações do Manual de Publicidade Médica descritas no Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina (Resolução CFM nº 1974/11). Se você observou algum item que não esteja de acordo com o manual, por favor, clique para informar o problema.

Você também pode gostar
37º Congresso da ESCRS – 2019
+
37º Congresso da ESCRS – 2019

Durante os dias 14 – 18 de setembro de 2019, aconteceu o 37º Congresso da ESCRS (Sociedade Europeia de Catarata e Cirurgia Refrativa), em Paris, na ...

18 de setembro de 2019
+

  Dra. Juliana Antunes CRM-SP 105658 / RQE 45616, esteve entre os dias 10 a 13 de abril de 2019 na 44ª edição do Congress of the Brazilian Retina and ...

10 de abril de 2019
Dr. Victor contribui como autor de um dos capítulos do livro “Cirurgia de Catarata – Fixação e Implantes  Secundários”
+
Dr. Victor contribui como autor de um dos capítulos do livro “Cirurgia de Catarata – Fixação e Implantes  Secundários”

Dr. Victor Antunes é autor de um dos capítulos do livro  “Cirurgia de Catarata – Fixação e Implantes  Secundários”, publicado pelos ...

17 de junho de 2019